CVM e Banco Central: é proibido proibir o mercado de criptomoedas! Entendam por quê?

CVM e Banco Central: é proibido proibir o mercado de criptomoedas! Entendam por quê

No dia 12 desse mês, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o mercado de ativos no Brasil, emitiu um oficio direcionado aos administradores e gestores de fundos, proibindo investimentos em bitcoins ou quaisquer outras moedas digitais (criptomoedas) por não ser regulamentado no país.

Apesar do documento ser direcionado – exclusivamente – aos (Diretores Responsáveis pela Administração e Gestão de Fundos de Investimento da CVM ), é claro que essa “proibição” causou indignação perante os investidores e entusiastas – comuns, como nós – que vêem investindo em criptomoedas como se fosse o mercado de ações convencionais. Até porque, está em tramite no Congresso, o projeto de lei (PL) 2.303/2015 – que ao invés de regulamentar, querem tornar crime o, uso, armazenamento e a comercialização de criptomoedas no país.

Deixando a questão dessa lei de lado, você sabia que o mercado de ações convencional e o mercado de criptomoedas são muito parecidos, MAS NÃO SÃO IGUAIS! No final das contas, tanto que investem no mercado de ações (convencional) ou no mercado de criptomoedas estão buscando uma única coisa: altos lucros! Simples assim!

Veja um exemplo:

Se eu investi 20 mil reais em ações da Oi, eu esperava que essas ações se valorizassem para eu vende-las e obter um bom lucro, pois é assim que funcionam as compras e vendas de ações convencionais. Comprar na baixa e vender na alta.

Porém, para minha sorte, em junho de 2016, a empresa OI pediu recuperação judicial. Ou seja, se eu vendesse minhas ações eu iria perder muito dinheiro, já que graças a essa notícia bombástica, o valor das ações da empresa caíram.

Com o mercado de compra e venda de criptomoedas é a mesma coisa. Quando há uma ótima notícia em relação a qualquer moeda virtual, o preço sobe. Quando há uma má notícia sobre qualquer moeda virtual, o preço desce. E foi exatamente isso que aconteceu nas últimas duas semanas.

Quando a Coréia do Sul afirmou que iria proibir a comercialização de criptomoedas no país, o preço do Bitcoin (BTC) despencou – e como 80% das moedas têm como base de troca – o Bitcoin – o valor das outras criptomoedas também caíram. Isso sem contas outras más notícias vindas da China!

Muitos investidores ficaram apavorados e começaram a vender suas moedas, causando um panic sell (pânico de vendas), fazendo o preço de 95% de todas as criptomoedas caírem avassaladoramente.

Exchange, também conhecido como bolsa (s) ou corretoras, são sites especializados na compra e vende de bitcoins e outras criptomoedas (altcoins).

Algum tempo depois, a Coréia do Sul volta atrás e afirma que as exchanger (bolsa) não poderão manter as contas dos usuários anônimas e todas as contas terão que ser vinculadas com suas respectivas contas bancárias. Ou seja, a Coréia do Sul voltou atrás e irá permitir a comercialização de criptomoedas, dês de que as exchanger cumpram com as novas regras. Com essa nova notícia, o mercado se estabilizou, ou seja, parou de cair e começou a se recuperar.

Quando a Oi teve o seu pedido de recuperação judicial aceito pelo governo e seus acionistas, o valor das suas ações voltaram a subir. Ou seja, quem não se apavorou e se manteve firme e não vendeu suas ações quando veio à fatídica bomba, certamente conseguiram um bom lucro, vendendo suas ações após essa nova notícia.

Da mesma forma aconteceu com o mercado de criptomoedas. Quem não se apavorou com a má noticia vinda da Coréia do Sul e manteve suas moedas guardadas, esperando o mercado se acalmar para vender no momento certo, certamente, se deram bem.

É claro que as pessoas, tanto do mercado de ações convencionais quanto do mercado de criptomoedas se deram bem, caso tenham vendido suas moedas ou ações no momento certo. Ou seja, comprado na baixa e vendendo na alta, independentemente das más notícias que abalaram esses mercados.

O que o nosso site está querendo dizer é que, assim como no mercado de ações convencionais existem riscos, no mercado de criptomoedas também há riscos. Então, a CVM ou o Banco Central não podem querer proibir algo que eles não compreendem ou fazem questão de manter vistas grossas.

Nunca subestime o potencial das criptomoedas!

Veja o caso do Wayne Huizenga, ex-dono da Blockbuster, a maior rede de locadoras de filmes e vídeo games no mundo. O empresário debochou da Netflix, disse que nem aparecia no radar nos termos de concorrência. No entanto, em 2013, a Blockbuster fechou as postas e a Netflix continua crescendo.

Isso sem contar o presidente-executivo e SEO da JPmorgan, Jamie Dimon, que durante entrevista ao canal de TV Fox Business, declarou que se arrependeu de ter chamado o bitcoin de fraude e reconheceu o potencial da blockchain.

Encerrando o assunto: Vamos crescer juntos e não criar uma guerra, porque, no final das contas, a tecnologia sempre vence! Tentar impedir que esse mercado cresça, só irá deixá-lo mais forte.

Boa sorte e bons negócios!