Entregadores de aplicativos de comida entram em greve! O que não te contaram e o que você precisa saber!!!

O que não te contaram e o que você precisa saber!!!
O que não te contaram e o que você precisa saber!!!

No dia 1ª de julho, entregadores de comida por aplicativos entraram e greve por melhorias e direitos trabalhistas.

Dois entrevistados que aparecem na reportagem que foi exibida no Bom Dia Brasil relataram o seguinte: 

Tem aplicativo que eles te obrigam a trabalhar sexta, sábados e domingo, causando um certo escravismo por parte do setor. Caso o entregador se recuse trabalhar nos finais de semanas, durante a semana esses aplicativos bloqueiam, relatou os entregadores Rafael Felix e Robson Bezerra Barbosa”, à reportagem. Acesse e veja!

De fato, isso é muito grave! Essas empresas não pode obrigar os entregadores a trabalharem feitos robôs para suprir a demanda atual, já que esses entregadores são prestadores de serviços. Os aplicativos de comida precisam dos entregadores e os entregadores precisam trabalhar. Sendo assim, ambos tem que coexistirem e trabalharem de forma amigável. Sem guerra entre entregadores e aplicativos.

Por outro lado, essa arbitrariedade só existe porque o mercado de entregas de comida está saturado. Ou seja, há uma discrepância entre a quantidade – muito maior – de entregadores para a mesma quantidade de comida para ser entregue. De modo que, essas empresas meio que, define as “regras do jogo”.

Para reverter esse jogo os entregadores tem que se unirem. Chegará o dia que haverá uma grande quantidade de ‘entregadores’ sendo bloqueados por esses aplicativos de comida e NÃO TENDO NOVOS ENTREGADORES para substituir os mesmos, as empresas serão obrigadas a acatar a necessidade dos entregadores.

Enquanto houver novos entregadores para entregar comida para substituir àqueles entregadores que se recusam a trabalhar nos finais de semanas, não tenha sombra de dúvidas de que as empresas continuaram a bloquear aqueles que – pelo mais variados motivos – não estão a fim de trabalhar sexta, sábado e domingos.

O próprio mercado se ajusta, sem a necessidade de regulamentação! 

Vamos pensar o seguinte: Vamos supor que tem o show da Madonna no Estádio do Maracanã. 

Todo mundo se divertiu, o show foi da hora, supimpa, show de bola e agora, todos ao mesmo tempo vão para suas casas. Digamos que 60% do público resolva pegar o Uber. Porém, só tem um pequeno equívoco: “Não tem Uber para todos”. 

A quantidade de pessoas e muito maior para a mesma quantidade de Uber disponível naquele momento. Sendo assim, o que vai acontecer é que haverá um aumento na TARIFA da corrida do Uber. 

O Uber e o seu exemplo de como  mercado funcioná.
O Uber e o seu exemplo de como mercado funcioná.

Isso acontece porque a mais pessoas solicitando a corrida para mesma quantidade de carros, de modo que, a tarifa tem que aumentar para descartar aquelas pessoas que iam pegar o Uber por boniteza. Já, aqueles usuários que, de fato, moram um pouco mais longe é que estarão dispostos a pagar um pouco mais caro pela corrida e, aqueles que iam pegar o Uber por pura boniteza, vão ter ir para casa do mesmo modo que chegam ao show: seja pegando transporte público, táxi convencional, a pé ou quem sabe, se teletransportando. Simples assim!

Assim que a demanda acabar, a tarifa do Uber volta ao valor de antes ou pode até ficar abaixo do valor inicial, porque a demanda caiu drasticamente. Ou seja, o próprio mercado se ajusta ‘SOZINHO’, sem a interferência dos parasitas governamentais que adoram criar regulamentações abiloladas que no final das contas vai acabar com o setor. Os patinetes elétricos é um ÓTIMO EXEMPLO do quanto uma “regulamentação” é destrutiva.

Graças a "regulamentação" os patinetes elétricos já era!
Graças a “regulamentação” os patinetes elétricos já era!

O mesmo se aplica aos aplicativos de comida!

Se houver uma grande quantidade de entregadores bloqueados por parte desses aplicativos, mas não há novos entregadores para substituir os penalizados, logo, as empresas verão que ‘algo de errado não está certo nesta história‘ e elas mesmas vão criar incentivos – que, no primeiro momento, serão criados por necessidades – para conquistar tantos os atuais quantos novos entregadores e aquela empresa que criar incentivos melhores, que conquiste a permanência dos seus entregadores na empresa; bom, essa empresa vai continuar no mercado.

Por outro lado, caso os aplicativos concorrentes não tomem as mesmas iniciativas da concorrente para manter seus atuais entregadores e continuem de bira, punindo seus atuais prestadores de serviços por não quererem trabalhar nos finais de semanas, esses entregadores iram sair fora, porque, nenhum prestador de serviço autônomo em sã consciência irá trabalhar em uma empresa intitulada de escravocrata.

Por fim, essa empresa que não quiser se adequar ao livre mercado, a mesma irá quebrar. Simples assim!

O empreendedorismo individual, sem sombras de dúvidas, é a melhor opção! Caso essas reivindicações sejam acatadas, pode ter certeza que o seu aplicativo de comida irá acabar em menos de ano.

Boa sorte a todos!