Goldman Sachs e seu relatório abilolado: O que você precisa saber!

Goldman Sachs e seu relatório abilolado: O que você precisa saber!
Goldman Sachs e seu relatório abilolado: O que você precisa saber!

Na semana passada o Goldman Sachs, um dos maiores bancos do mundo saltou um relatório no mínimo duvidoso, para não dizer totalmente abilolado.

Vamos abordar apenas dois assuntos principais deste relatório insano.

1 – O Bitcoin não é uma ‘Classe de Ativos’

O Goldman Sachs declarou o seguinte:

“Acreditamos que um título cuja valorização depende principalmente de alguém estar disposto a pagar um preço mais alto por ele não é um investimento adequado para nossos clientes”.

*Explicação mas adiante!

2 – No relatório, o banco também desaconselha seus clientes a investirem em ouro. A commodities mais valiosa em tempos de crise, segundo Goldman Sachs, não é um bom investimento porque seu valor está muito acima das suas médias históricas e sua rentabilidade é muito inferior ao retorno dos investimentos nos títulos do tesouro.

O bitcoin e os bancos nunca se entenderam, porque agora seria diferente? Você já viu algum taxista elogiar os motorista de Uber?
O bitcoin e os bancos nunca se entenderam, porque agora seria diferente? Você já viu algum taxista elogiar os motorista de Uber?

Esse mesmo relatório PUXA O SACO e, meio que implora, para que seus clientes invistam nos ‘rentáveis títulos do tesouro americano’. Óbvio! 

O Bitcoin e o Goldman Sachs

Após o banco tentar convencer seus clientes que investir nos títulos do tesouro americano é melhor que investir em ouro, o relatório abilolado do Goldman Sachs chega ao Bitcoin e esse relatório salta uma pergunta com três variáveis:

Bitcoin: Moedas ou classe de ativos?

Para o banco as moedas lastreadas em honestidade de políticos deve cumprir três critérios:

  • 1 – Meio de troca
  • 2 – Unidade de conta e
  • 3 – Reserva de valor

E, para a alegria geral da nação, o banco afirmou categoricamente que o Bitcoin não atinge nenhum desses critérios. Veja o nosso vídeo que vamos refutar esses critérios!

O banco soltou a seguinte declaração (cuja mesma está escrita mas acima):

Nós acreditamos que algo cuja valorização dependa principalmente de alguém está disposto a pagar um preço maior por isso não seja um investimento adequado para nosso clientes

Nossa resposta:

Ué, mas no mercado acionário não acontece a mesma coisa!

Exemplo: Se eu invisto em algumas ações que custe uns 24 reais (cada) e quero lucrar com esse investimento vou ter que esperar que várias pessoas invistam nessas ações para que as mesmas ações que eu investi se valorize a tal ponto para que eu, num momento oportuno ache necessário vender e obter o meu sonhado lucro.

Afinal de contas eu comprei pelo preço mais baixo e vou vender pelo preço mais alto! Então; se no mercado acionário é assim, porque investir em bitcoin e criptomoedas seria diferente? Esse argumento não tem lógica alguma!

Isso sem contar que o relatório ainda afirma que o Bitcoin e às criptomoedas podem ser usadas como atividades criminosas como lavagem de dinheiro e ser usadas no mercado negro –  como se os papelinhos coloridos lastreados em honestidade de políticos não fossem usados para esses fins.

Agora, o mais controverso dessa patifaria é que o próprio banco está envolvido em lavagem de dinheiro, conforme está escrito neste post: Malásia extradita aos EUA ex-banqueiro da Goldman Sachs acusado de corrupção. Isso só demonstra aquele velho ditado: Pimenta nos olhos dos outros é refresco! 

E, para fechar o hall de abolisse deste relatório publicado pelo Goldman Sachs, o banco compara o bitcoin com a famosa ‘mania das tulipas’.

Para quem não sabe a mania das tulipas ocorreu na Holanda no século 17. Em 1634 a 1637, onde essas flores sofreram uma imensa valorização em um longo período de três anos para logo depois seu valor virar pó.

Ao contrário das tulipas onde qualquer fazendeiro poderia plantar centenas de hectares de flores, o bitcoin tem que ser minerado por hardwares cada vez mais potentes e sua emissão é limitada a 21 milhões de unidades.

Parece pouca informações para você? Não tem problema, vamos por partes. Vamos entender de forma bastante resumida o seguinte:

O que é a Mania das Tulipas Holandesas?

Em 1639, à cidade de Amsterdam efervescência com dinheiro novo. Um século após a conquista do novo mundo pelos espanhóis, as riquezas das américas e a explosão do comércio mundial fizeram a Holando o país mais rico do planeta.  

As famosas tulipas Holandesas e a comparação com bitcoin!
As famosas tulipas Holandesas e a comparação com bitcoin!

A Holanda controlava mais da metade do transporte mundial e tinha mais da metade dos milionários que qualquer outro país, tendo a maior renda per capita da Europa.

Novas riquezas criam novos luxos! Foi aí que começou a especulação do mercado futuro das famosas tulipas holandesas, cujo um único bulbos de tulipas alcançou um preço estratosférico. 

Importadas da Turquia os tipos mais exóticos foram criados por um vírus que atacavam certos bulgos o que os tornavam raros e dificil de cultivar. Hoje, um bulbo de tulipas vale cinquenta centavos de dólar, mas, na Holanda de 1636 um bulbo chegou a valer cem vezes o seu valor em ouro.

Os mercadores de Amsterdam encontraram um jeito de especular e ganhar muito dinheiro nesse mercado, foi aí que, segundo historiadores, nasceu o mercado especulativo e as tulipas holandesas foi a primeira commodities (mercadoria) a ser comercializada no mercado futuro.

Muita gente achou que iriam ficar ricas da noite para o dia e começaram a investir suas riquezas nesse mercado altamente especulativo. Até que, em 1637, uma partida de bulbos de tulipas não foi vendida. Foi nesse exato momento que a bolha das tulipas estourou e pessoas que venderam tudo para apostar nesse mercado ficaram pobres.

Muitos bancos, banqueiros e milionários insistem e comparar o bitcoin com a famosa mania das tulipas. Contudo, o que esses endinheirados não sabem e fazem questão de tentar persuadir os mais inocentes em fazer tal comparação é que, ao contrário das tulipas onde qualquer pessoa poderia plantar as mesmas, não é tão fácil minerar bitcoins.

A mineração de bitcoins exige um alto nível de investimento em hardwares e nem sempre o retorno é imediato. 

Isso sem contar que a moeda digital já é escassa e todo mundo que quer investir no ouro digital sabe que a quantidade de bitcoins é limitada a 21 milhões de unidades, ao contrário das tulipas que podem ser produzidas desde que tenha mercado para esse tipo de consumo.

Voltando ao assunto:

Nós, da redação, lamentamos muito e sentimos pena de quem, de fato, acreditou nesse relatório que foi criado por estagiários chapados de maconha.

É óbvio que o mercado de criptoativos não só refutou esse relatório abilolado como mostrou para o banco que, quem acredita nos fundamento da criptomoeda não tá nem aí para opinião de banqueiros milionários.

Dinheiro ou melhor: papeizinhos coloridos lastreados em honestidade de políticos!
Dinheiro ou melhor: papeizinhos coloridos lastreados em honestidade de políticos!

Pelo contrário; quando mais um Enter Central que é controlado por governos parasitais que adora imprimir papeizinhos coloridos lastreados em honestidade de políticos para manipular o mercado falar mal do bitcoin, mas a moeda digital se valoriza. 

A reação do mercado criptográfico após o Goldman Sachs divulgar o seu relatório foi super positivo, fazendo o bitcoin subir mais de 5% de valorização. Leia aqui!

O mais controverso dessa história é que em dezembro de 2019, o Deutsche Bank (Banco Alemão) divulgou um relatório afirmando categoricamente que, até 2030, as criptomoedas irão substituir o dinheiro de papel. 

Se você estuda o mercado e entendeu o porque o bitcoin foi criado você vai chegar a conclusão óbvia de que o relatório do Deutsche Bank (Banco Alemão) é o futuro e o relatório do Goldman Sachs só tem interesse em puxar o saco do ESTADO e, por tanto, não tem fundamento algum.

Leia: O estado é um câncer e a descentralização é a cura!

O futuro será promissor!

Observação: Se você quiser ler esse relatório abilolado na íntegra, acesse este link aqui.

Boa sorte e bons negócios!