Eleições 2020: O seu voto não vale nada!

Eleições 2020: O seu voto não vale nada!
Eleições 2020: O seu voto não vale nada!

Há cada dois anos a população brasileira é obrigada a sair de casa para votar no seu parasita favorito.

Este ano, por conta da pandemia do Covid-19 (coronavírus) as eleições para prefeito e vereador foram adiadas para novembro, como se eu, um cripto anarquista, me importasse com isso.

Digo isso porque, por melhor que seja, por mais boas intenções que aquele futuro candidato tenha, o seu voto não vai mudar absolutamente nada

Aí vem aqueles líderes religiosos – de quaisquer religiões – pregando para seus fiéis que é muito importante votar. Porque, se você não votar; se você não se der ao trabalho de escolher o seu candidato, aí é que o Brasil não vai mudar mesmo. 

No entanto, o que esses líderes religiosos e a população como um todo não entende é que, por melhores intenções que aquele futuro candidato tenha, ele não vai conseguir fazer nada, a não ser que ele entre para o ‘’esquema’’ porque o sistema está corrompido.

É só você prestar atenção nos noticiários, principalmente no começo do ano. As notícias são sempre as mesmas:

  • A população perdendo tudo, inclusive a vida, em enchentes devastadoras,
  • Transporte público de péssima qualidade,
  • Segurança pública de qualidade duvidosa, para dizer coisa pior,
  • À saúde em colapso,
  • Programa de habitação popular a Deus dará (…). 

Enfim, os problemas são sempre os mesmos e em todas as eleições aparece uma caralhada de bons candidatos que sempre vão resolver os problemas da população. Contudo, quando esses indivíduos entram no planalto parasital brasileiro, todos eles sofrem de amnésia, esquecendo completamente as suas promessas eleitorais.

Projetos de leis abilolados

Pior que a amnésia que esses candidatos sofrem é a quantidade de boas intenções que esses parasitas com retardos mentais criam. São projetos de leis e regulamentações que são criadas no âmbito de ferrar ainda mais a vida dos seu leitores, como por exemplo:

Projetos de lei: Fora Uber!
Projetos de lei: Fora Uber!

O projeto de lei 419/2018 de autoria do vereador Adilson Amadeu (DEM), que representa os taxistas, e quer regulamentar o transporte de passageiros por aplicativo. Esse projeto de lei quer limitar a quantidade de transporte por aplicativos como Uber, 99Taxi e Cabify, por exemplo, com a mesma quantidade de táxis convencionais.

A estimativa é que haja 250 mil motoristas por aplicativo contra apenas 40 mil de táxi convencionais. Portanto, como Adilson Amadeu, que representa a categoria dos taxistas convencionais, quer aprovar esse projeto de lei deixando 210 mil motoristas por aplicativos desempregados e os poucos que aderissem a esse projeto de lei abilolado terão que aderir a tantas exigências tornando a vida dos motoristas por aplicativo um verdadeiro inferno.

E o que dizer das regulamentações dos patinetes elétricos que pipocaram Brasil a fora após a deputada Rosane Felix (PSD- RJ) cair e quebrar seus lindo dentinhos. Pipocaram tantas regulamentações que ficou inviável que esse meio de micro-mobilidade continuassem operando no país, fazendo as empresas caírem fora dessa extorsão parasital.

Prefeito Nelson Marchezan (PSDB) e seu projeto de lei contra o Uber
Prefeito Nelson Marchezan (PSDB) e seu projeto de lei contra o Uber

E o que dizer do projeto de lei do prefeito Nelson Marchezan (PSDB), da cidade de Porto Alegre. O prefeito tenta aprovar na Câmara parasital o projeto de lei que cria uma taxa para que os aplicativos de transporte continuem operando na cidade. A alegação do prefeito é que os aplicativos de transportes está prejudicando o transporte público.

E o que dizer do projeto de lei (PL 6.476/2019) de autoria do senador Acir Gurgacz (PDT-RO) que propõe uma multa de 5% sobre o valor do salário mínimo toda vez que o motorista por aplicativo cancelar uma corrida.

E o que dizer do projeto de lei que foi protocolada pelo senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) que obriga as pessoas que foram curadas pelas Covid-19 a doarem sangue em prol da saúde. Leia!

E o que dizer do projeto de lei 3233/20 que obriga empresas públicas e privadas com mais de 20 empregados a destinar, no mínimo, 20% de suas vagas de emprego à população de baixa renda.

Esse projeto de lei abilolado é de autoria do Delegado Antônio Furtado e prevê punições judicialmente e administrativamente caso as empresas não cumpram essas medidas estapafúrdias.

E o que dizer da tentativa do ministro da economia Paulo Guedes tentar ressuscitar a CPMF com uma cobrança de uma alíquota de 0,2% sobre transações digitais.

Enquanto o ministro tenta ressuscitar a ‘Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira’ ele é a favor sobre o aumento do teto salarial do funcionalismo público para valorizar a ‘meritocracia’.

Segundo o ministro, ele considera ‘muito baixos’ os valores pagos para funcionários da ‘alta’ administração. Teto salarial do funcionalismo atualmente é de R$ 39,2 mil. Acesse e leia!

E o decreto da Câmara que mantém o auxílio mudança no valor de 33 mil reais para deputados que forem eleitos. Essa regalia é usada pelo parlamentar quando ele se muda para Brasília, onde está localizado o Congresso Nacional, ou ao retornar para seu estado ao fim do mandato.

Vinhos e Lagostas do STF
Vinhos e Lagostas do STF

E o que dizer da regalia do Supremo Tribunal Federal que pretende gastar 1,2 milhão de reais com vinhos e  lagostas. É isso aí meu caro eleitor: refeições institucionais regadas com dinheiro público é mera bobagem.

É claro que essas e outras regalias são pagas por você, gado submisso pagador de impostos. Enquanto você fica preocupado com o que os artistas fazem ou deixam de fazer, os nossos governantes parasitais fazem a festa com o nosso dinheiro. 

Enfim, esse e outros projetos de leis criados por senadores e deputados com retardo mental estão em votação. Alguns projetos não foram aprovados e outras ainda estão em análise.

O fato é: independente se esses projetos de leis foram aprovados ou não, o que importa é que esses “projetos de leis” foram criados com as melhores intenções e sabemos bem que de boas intenções o inferno não está cheio está lotado. São tantas boas intenções no inferno que o capiroto pediu a Deus se tem alguma vaguinha sobrando porque o inferno está lotado.

Isso sem mencionar maracutaias articuladas através das emendas parlamentares. 

Emendas parlamentares

O seu parasita favorito não pode lhe dar cinquenta reais para você fazer um churrasco no domingo porque isso é caracterizado como compra de votos. No entanto, senadores e deputados são facilmente comprados através das emendas parlamentares.

Essas emendas foram muito utilizadas durante a tentativa da ex-presidente Dilma Rousseff não sofrer um impeachment. Segundo reportagem da Folha de São Paulo e de outras fontes, Dilma liberou 21 bilhões de reais para que o seu impeachment não passasse no Congresso.

Ou seja, a ex-presidente Dilma literalmente comprou votos para não sofrer o impeachment! Mas não adiantou. No dia 31 de agosto o Senado parasital brasileiro aprovou o impeachment, Dilma perdeu o mandato e o vice-presidente Michel Temer assumiu a presidência do Brasil. 

Em 2017, o ex-presidente Theme também liberou mais de 15 bilhões em emendas parlamentares para conseguir apoio na Câmara para arquivar denúncias contra ele. 

Aí, como desgraça pouca é bobagem, vem a pandemia para dar ainda mais poder a esses parasitas fazerem a festa com dinheiro dos nossos impostos: criando hospitais de campanhas que não são usados, comprando respiradores que não servem, superfaturar insumos hospitalares entre outros trambiques que estão vindos à tona na mídia tradicional. 

Em troca, os nossos governantes trancam todo mundo em casa sob a justificativa de combater a pandemia e dar seiscentos reais para você ficar em casa e, mau você sabe que será você que vai pagar todo esse custo. 

Isso sem contar os decretos que alguns governadores publicaram no seu diário parasital do seu respectivo estado, como a do Governador João Dória, que decretou o seguinte:

Considerando que, segundo órgãos da Saúde Pública, durante a situação de pandemia, qualquer cadáver, independentemente da causa da morte ou da confirmação de exames laboratoriais deve ser considerado um portador potencial de infecção por Covid-19.

Ou seja, todos os governantes estão usando a pandemia para fins eleitoreiros. 

No começo da pandemia, o doutor Drauzio Varella quase que implorou para as pessoas ficarem em casa. Foi um chô, rô, rô desgraçado no Fantástico. Até que seu choro foi plausível, porque ninguém sabia de fato como era essa nova doença.

Mas, na medida em que os dias foram passando, o povo viu que não era tudo isso que as autoridades alarmistas afirmaram. O resultado é que as pessoas estão cansadas de ficarem trancadas em casa e muitas delas precisam trabalhar para colocar o pão na mesa.

Agora, o mesmo Drauzio Varella que antes implorava para as pessoas ficarem em casa, agora está participando da campanha da Justiça Eleitoral para convocar otários voluntários para serem mesários durante as eleições, porque os atuais mesários, em sua ampla maioria são da classe de risco.

O mais triste disso é que os nossos prefeitardados e governotários limitaram o horário do comércio tornando a vida de comerciantes e consumidores um inferno, além de obrigar todo mundo a usar a focinheira de pano em locais públicos. 

Governo manipulando as pessoas
Governo manipulando as pessoas

Mas, na hora de exercer a sua cidadania abestalhada à justiça eleitoral vai tomar todas as medidas sanitárias para você votar com toda segurança no seu parasita favorito, para lhe roubar por mais quatro anos e durante esse período, muitos desses eleitos iram criar novos projetos de lei para deixar a sua vida ainda pior.    

Como a do vereador Everaldo Dal Posso (PL), cujo projeto de lei aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores de Santa Catarina aprovou uma lei que literalmente proíbe os cachorros latirem.

Detalhe: Essa lei é tão estúpida que o próprio vereador mandou o prefeito, Aquiles da Costa (MDB) da cidade de Penha (SC), vetasse essa lei. Everaldo Dal Posso, o vereador criativo desta lei estapafúrdia, ainda pediu aos vereadores que não derrubasse o veto do prefeito.   

Então, como podemos perceber meu caro eleitor: Nós servimos apenas para duas coisas: votar e pagar impostos!

Até quando as pessoas vão continuar se permitindo a serem manipuladas e alienadas por esses parasitas trajados de governantes que acham que vão mudar o Brasil pra melhor? Se o nosso país fosse melhorar, já tinha melhorado há muito tempo.

A democracia exercida através do seu voto é pura ilusão. No final das contas o sistema já está, não só armado, como corrompido. O que muda são apenas os quadros na parede 

Meus parabéns!

Eleições 2020: o seu voto não vale nada!