China e Coreia do Sul derrubam o preço do bitcoin!

Duas notícias, uma da China e utra da Coreia do Sul derrubaram o preço de todas as criptomoedas!

Tudo estava correndo muito bem, varias altcoins estavam batendo recordes nas suas valorizações, moedas que antes estavam escondidas nesse mercado promissor apareceram e se destacaram. Parecia que o bitcoin iria chegar fácil, fácil a 50 mil dólares, como muitos especuladores afirmavam, até que veio duas notícias, uma da China e outra da Coreia do Sul que abalou o mercado cripto:

Primeira notícia veio da China: China propõe limitar fornecimento de eletricidade a mineiros! O país sempre teve forte influencia no preço do bitcoin. Isso ocorre porque a China detém 80% da mineração de criptomoedas. Ou seja, de cada 10 bitcoins minerados, oito, vem da China. Então, querendo ou não, qualquer notícia, principalmente, as más notícias vinda daquele país irá influenciar e muito o valor da criptomoeda.

A última notícia – que fez com que – derrubasse o preço do bitcoin, foi o endurecimento do governo perante aos mineradores. O governo Chinês propôs limitar o fornecimento de energia elétrica para os mineradores.

Sabemos que a mineração de bitcoins consome muito energia, mas na China, a eletricidade é super barata. Isso sem contar que o governo propõe outras medidas para conter exponencial crescimento da indústria de mineração no país, tornando a vida dos mineradores um inferno.

Resumindo o assunto: a China não proibiu a mineração de bitcoins e outras moedas digitais, mas sabemos que todas essas regras é sim, uma declaração sumaria para que os mineiros deixem o país de forma sistemática (para não dizer expulsos) antes que as autoridades endureçam ainda mais. Então, vem aquele ditado: para um bom entendedor, meia palavra basta!

Má notícias vindo da China e da Coreia do Sul derrubam preço das altcoins e deixam investidores preocupados e desesperados!

Jihan Wu, fundador da Bitmain – a maior fabricante mundial de equipamentos de mineração entendeu o recado e começou a mudar suas instalações do país. Segundo Jihan, a empresa vai se instalar no Canadá e em Singapura.

Isso sem contas que as maiores Exchanges Chinesas foram fechadas e as Icos (ofertas inicias de moedas) foram banidas do país. Algumas bolsas se mudaram para outros países e foram renomeadas, como a exchanger bter.com – que passou a operar nos US como gate.io.

Já publicados no nosso site o que aconteceria se a China proibisse a mineração de bitcoins?. Dêem uma lida, é bastante interessante.

Notícia da Coreia do SulCoreia do Sul proibirá criptografia anônima a partir de 30 de janeiro! A Comissão de Serviços Financeiros da Coreia do Sul endureceram as regras para quem opera com criptomoedas em corretoras locais. As autoridades estão exigindo que as contas dos usuários não sejam mais anônimas e passem a ser vinculadas com as suas contas bancarias.

As corretoras (também conhecidas como bolsas ou exchanger) têm até o próximo dia 30 de janeiro para aplicar as novas regras, caso contrário, essas contas anônimas serão impedidas de negocias criptomoedas (altcoins).

Vale lembrar que, anteriormente, as autoridades obrigaram todos os comerciantes de ativos criptográficos a converter contas anônimas digitais em registradas, de acordo com a legislação AML/KYC. Além disso, todas as corretoras do país terão que transferir informações sobre as transações de seus clientes aos bancos.

Muitos que trabalham com moedas digitais já esperavam essa decisão do governo, mas não vê motivos para retiradas maciças de criptomoedas das bolsas. Porém, nem todos ficaram tranquilos com a decisão governamental da Coreia do Sul, resultando, o que muitos traders chamam de “Panic Sell”, ou pânico de vendas.

China e Coreia do Sul derrubam o preço do bitcoin!

Juntando o pânico de vendas da Coreia do Sul e a suposta “proibição” da mineração de bitcoins na China, não deu outra: o mercado de criptomoedas sofreu um verdadeiro PÂNICO DE VENDAS!

O Bitcoin (BTC) que chegou a valer US$ 16,800,00 no dia 8 de janeiro, chegou a ser negociado a US$ 10,528,00 no dia 15 do mesmo mês. Resultando uma queda de US$ 6,272,00 dólares. Até o fechamento deste post, cada unidade era vendida a US$ 11,179.48. Como a grande maioria das altcoins tem como a base de troca – o bitcoin – a queda das outras criptomoedas foram gigantescas, superior a 45%.

E agora, o que fazer?

Agora, não podem os fazer nada! Temos que aguardar o mercado se estabilizar e não entrar em pânico.

A grande maioria dos mineradores Chineses vão mudar para outros países e retomarem suas atividades. Então, até que os mineiros Chineses se instalem e liguem suas maquinas, o grau de dificuldade de ser minerar a criptomoeda será menor. Ou seja, ficou mais fácil de minerar o Bitcoin (BTC), resultando na queda do valor da moeda.

Quando os mineiros Chineses religarem suas mineradoras e quando os sul-coreanos verem que as medidas resultantes do seu país não é algo tão preocupante, eles vão voltar a negociar, não só Bitcoins (BTC), mais outras criptomoedas (altcoins), resultando na valorização das mesmas e restabelecendo o mercado. Porque, por mais que algum país ponha algum empecilho nesse mercado, as criptomoedas vieram para ficar. Isso é um fato!

Com informações do site: www.btcsoul.com